A verdade do caso Ronaldinho

 Por J White Lie, engenheiro da M.I.B.* Corporate

Todos sabem da existência secreta de aliens no planeta, o que é público e notório. Chegaram aqui há mais de 1000 anos e têm grande penetração na sociedade humana. John Holmes que o diga. Para se ter uma ideia, um dos visitantes é até vice-presidente do Brasil.**

Bom, a verdade é que, secretamente, a nossa empresa agencia a venda de tecnologias alienígenas para clientes terráqueos. A princípio, queríamos desenvolver armas para o U.S. Army, mas como nossa tecnologia baratearia os custos, os generais não gostaram da ideia. Sabe como é: quanto mais cara a compra, melhor para o general. E o contribuinte que se dane. Com isso, fomos para outro mercado que também rende zilhões: o esporte.

Na verdade, já lidávamos com o esporte e o sexo havia algum tempo. Um dos pontos altos de nossa tecnologia embarcada foi o Michael Jordan. Os reflexos, a habilidade aérea, a precisão. Até mesmo o jeito fotogênico de olhar para as câmeras é orientado por softwares especialmente desenvolvidos. A NBA paga bem. Quanto à possível greve dos jogadores***, não nos culpem: nossos produtos (order now: 1-800-M.I.B. IMPLANT 3000)**** não tornam os implantados pão-duros. Isso é com a Goldmann Alien Technologies.

Aliás, quero aproveitar e tirar o meu da reta: quanto ao Ronaldinho na final da Copa, a culpa não é minha. É da equipe do Zagallo. Lembra do Jordan? A tecnologia implantada nele é uma evolução da utilizada em Magic Johnson. O quê? Não, não envolve troca de sangue. É troca de bits, pô. Bom, antes do implante, foram anos de testes. Já o caso do M.I.B. RN9-0043, o exoesqueleto do Ronaldo, chegou o Zagallo e mandou implantar, que já tava tudo ok. Claro, não deu pra testar, e deu no que deu. O quê? Porra, é claro que o Zagallo é um dos nossos. Não, engenheiro não; alien. Quem? O Lídio Toledo? Ah, esse é androide. Não, nada de Med-Droid, compraram dos nossos saldos. Não é médico, é ortopedista.

A crise epilética do dia da final? Resultou de uma pane de sistemas, o software e o hardware não se entenderam. Tipo o Greenspan e o Candessus, mas é coisa de ajuste mal feito. Tem um psicoengenheiro que acha que foi falta de fatores M-69 e S-11, ou excesso de fator S-A9CM. A culpa não é minha, pô. Falei que era cedo para estrear o artefato no mercado. Ah, quem pagou? Isso, eu não digo. Só dá pra dizer que é cliente nosso, fornecemos crianças ciborgues para trabalhar em fábricas deles. E androides de marketing. Os que dão defeito são repassados, como marqueteiros, para o Brasil, que lá tem eleições este ano.

* Men In Beer

** O depoimento faz parte das investigações do promotor independente e militante republicano Keneth Starr e foi e foi prestado 48 horas após a final da Copa da França. À época, em função do mau gosto do presidente norte-americano Bill Clinton, suspeitava-se de que o mesmo fosse um alien.

*** Na época, apenas um rumor.

**** Rateada do tradutor, que estava lendo revista pornô americana, cheia de anúncios de tele-sexo, ao invés de fazer a droga do serviço.

Deixe uma resposta