A Gol – nº 4

 Por André Roca

Desde que Zagallo anunciou a lista dos convocados para a Copa da França, muita coisa mudou. Alguns jogadores chegaram como titulares indiscutíveis e acabaram na reserva ou até mesmo cortados. Nesse vai e vem, muitos também se afirmaram. Agora, às vésperas das semifinais da Copa, vejamos como estão se saindo os 22 eleitos:

  1. Taffarel: Titularíssimo da Seleção. Passa segurança e tranquilidade no gol. Experiente, já bateu o recorde de goleiro que mais atuou pela Seleção em Copas do Mundo.
  2. Cafu: Quando Zagallo divulgou a lista dos convocados, ele foi um dos mais contestados. Chegou na França mostrando serviço e já é considerado o melhor da posição na Copa. É um dos responsáveis pela boa campanha brasileira na competição. Fará falta contra a Holanda.
  3. Aldair: Já não é mais o mesmo. Não marca mais com a eficiência de antes.
  4. Júnior Baiano: Alterna bons e maus momentos. Brinca muito, mas sabe quando tem que dar chutão.
  5. Roberto Carlos: Não está fazendo jus à posição de segundo melhor do mundo. Falhou feio num dos gols da Dinamarca. Começou mal, melhorou um pouco, mas ainda não jogou bem. Tem mais dois jogos para mostrar por que é uma das principais armas do Brasil.
  6. César Sampaio: Chegou para desempenhar a mesma função do Mauro Silva na Copa de 94: ajudar Dunga na proteção da defesa e, para a surpresa de muitos e do próprio jogador, é um dos goleadores do time, com três gols. Está perfeito.
  7. Dunga: O maestro do time. Seus gritos e gestos sсo fundamentais para que a Seleção se ache em campo. Insubstituível.
  8. Leonardo: Teve atuações brilhantes e outras nem tanto. No último jogo, contra a Dinamarca, não repetiu o seu bom futebol, porém, é importante para o time.
  9. Rivaldo: Driblador e armador das jogadas, tem se destacado por suas arrancadas em direção ao gol. É um dos destaques do time e um dos melhores do mundo na posição. Tem três gols marcados até agora.
  10. Bebeto: Apesar das vaias, não comprometeu a equipe. Já fez três gols e, juntamente com Ronaldo, César Sampaio e Rivaldo, é o goleador da equipe. Com a sua saída do time, Ronaldinho tem ficado muito isolado. Sua experiência certamente vai ajudar a Seleção na reta final.
  11. Ronaldinho: Não jogou até agora tudo o que se esperava. Nos últimos jogos se mostrou mais participativo, servindo os companheiros na hora de fazer o gol. Precisa do gol para melhorar o seu rendimento em campo. Faltam dois gols para empatar com Batistuta e Vieri na artilharia da Copa. Obs: As estatísticas revelam: sempre que o Brasil foi campeão, o goleador da competição foi de outro país.

Os reservas:

  1. Giovanni: Era a esperança de Zagallo de começar a Copa com o meio de campo entrosado, já que Giovani joga com Rivaldo no Barcelona. Era uma solução. Era. Após uma estreia ofuscada, o jogador foi exageradamente criticado, o que acabou prejudicando o seu rendimento. Perdeu a vaga no time e também a confiança.
  2. Denílson: Habilidoso, Zagallo parece acreditar que ele joga melhor entrando no segundo tempo. Tem dado certo, mas a torcida quer vê-lo desde o início do jogo.
  3. Edmundo: Nervoso, recebeu uma chance de Zagallo nos primeiros jogos e foi um desastre. Parece não conseguir apresentar um bom futebol na Seleção.
  4. Gonçalves: Não representa segurança na zaga. Tem recebido boas chances, porém, nas fases finais, deverá entrar apenas em caso de contusão.
  5. Zé Roberto: Está merecendo uma oportunidade no lugar de Roberto Carlos. Habilidoso, é sempre uma opção ofensiva para a equipe.
  6. Emerson: Sempre eficiente, mostrou no jogo contra a Dinamarca que está pronto para entrar no time. É uma boa opção de marcação.
  7. Dorival: Seu nome não é unanimidade. Muito contestado no seu clube e na Seleção, não deve receber muitas chances de mostrar o seu futebol, ainda mais por que é reserva de Dunga e César Sampaio.
  8. Zé Carlos: Fará a sua estreia contra a Holanda. Precisa manter a calma e jogar o que sabe, que não terá maiores problemas.
  9. André Cruz: Reserva de luxo. É um zagueiro de toque refinado. Tem muita habilidade na perna esquerda e gosta de sair jogando ao invés de dar chutшes. Aguarda uma chance de Zagallo.
  10. Carlos Germano: Ainda não participou da Copa. É sempre sinal de segurança. Só entrará em caso de lesão do titular.
  11. Dida: Ainda não participou da Copa. Também mostra muita segurança, apesar de jovem. Aprimorou-se após algumas críticas sobre o seu posicionamento no gol. Só entrará em caso de lesão do titular.

Os Cortados:

Romário: Jogou no último domingo, dia 5 de julho, um amistoso contra o Internacional-RS. Marcou o gol do seu time. Saiu faltando menos de cinco minutos para o final do jogo. Mostrou para a CBF que seu corte foi precipitado.

Flávio Conceição: Logo após seu corte fez um golaço em um amistoso do seu time. Está recuperado.

Márcio Santos: Não deveria ter sido chamado para ser logo cortado. Primeiro a CBF deveria ter realizado testes com ele. Queimaram o jogador e a instituição. Uma lástima.

Poderia-se completar a lista dos cortados com a dos esquecidos, porém, como se sabe, Zagallo usou mais de cem jogadores durante a preparação para a Copa, o que torna a tarefa um tanto quanto árdua.

(Publicado originalmente na Edição 1, de 23 de março de 1998)

sobre o autor

André Roca
Jornalista, escritor e professor de Letras, mestre em Escrita Criativa

Deixe uma resposta