A Gol – nº 2

 Por André Roca

Finalmente começou o Gauchão

Um dos maiores pecados cometidos pelos três grandes times gaúchos neste início de temporada certamente foi não ter participado da primeira fase do Campeonato Gaúcho. O pior resultado dessa desmobilização é, sem dúvida, a desvalorização do nosso campeonato regional. Enquanto o Gauchão está apenas começando a esquentar, o campeonato paulista, o mais organizado do País, já está quase decidido.

Explode coração

Atenção gaúchos, preparem as bandeiras e principalmente os nervos: a CBF já definiu a tabela do Campeonato Brasileiro deste ano e apresentou algumas surpresas, entre elas a data escolhida para a realização do maior clássico gaúcho: 26 de julho, um dia após o início da competição, vai ter GRENAL, no Beira Rio. É uma prova de fogo logo no início do campeonato. Além de engrandecer o Brasileirão, certamente o clássico será muito importante para o futuro das duas equipes na competição.

E recomeça tudo de novo

O Inter, como de praxe, começou mais um ano sem grandes contratações, e sempre apresentando ao torcedor um discurso que já se tornou conhecido e, ao mesmo tempo, temido pela torcida colorada: o de que a base do time já estava pronta para a disputa dos campeonatos do primeiro semestre do ano. E, mais uma vez, repetiu-se a mesma história; o Inter foi desclassificado da Copa do Brasil. Agora, em plena disputa do Campeonato Gaúcho, continuam a desembarcar no Beira-Rio jogadores desconhecidos e, mais uma vez, o Inter é um time em formação. Pelo menos, alguns jogadores contratados vêm mostrando qualidade e estão contribuindo muito para a campanha vitoriosa do time neste campeonato.

Grande problema! Será ???

O técnico gremista, Sebastião Lazaroni, tem um grande problema para resolver. Um problema que qualquer outro técnico brasileiro gostaria ter. Ele tem que arrumar um lugar no time para os “novatos” Ronaldinho e Tinga, que a cada jogo pedem passagem, mostrando que estão sempre dispostos a contribuir para o crescimento do time dentro de campo, e ainda não pode esquecer-se do “veterano” Aílton, do problemático Beto e do eterno enfermo, Robert. Realmente um meio-campo de respeito, desde que sejam orientados corretamente. Porém, a derrota para o São Paulo serviu de lição para mostrar que não basta ter jogadores habilidosos no time, é preciso principalmente garra. Este jogo contra o time paulista serviu também para mostrar alguns setores carentes do time do Grêmio, como a lateral direita e um atacante para nсo isolar o maior ídolo gremista, o centroavante Guilherme.

 

(Publicado originalmente na Edição 1, de 23 de março de 1998)

sobre o autor

André Roca
Jornalista, escritor e professor de Letras, mestre em Escrita Criativa

Deixe uma resposta