Entrevista – Rosental Calmon Alves

  Por Moacir Zandonai Jr. e Nestor Tipa Júnior

Rosental Calmon Alves é professor da cadeira de jornalismo internacional da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, além de ser o criador da cadeira de jornalismo online na mesma universidade. Sua experiência com a Internet começou no Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro, um dos veículos tradicionais pioneiros a trabalhar com a comunicação na web. No dia 16 de março, Alves esteve em Porto Alegre (RS), onde ministrou a palestra sobre “Jornalismo e Internet” no auditório da Faculdade dos Meios de Comunicação Social (Famecos), da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs). Em entrevista exclusiva à 359 Online, Alves explica sobre o assunto que é de interesse geral de todos.

359 Online: Comenta-se da saturação do mercado de trabalho jornalístico. O senhor acredita que com a Internet poderão se abrir novas oportunidades para os profissionais? Em quanto tempo?

Rosental Calmon Alves: Aqui nos Estados Unidos o jornalismo na Internet já é uma realidade incontestável em termos de criação de novos postos de trabalho para profissionais. A maioria dos jornais ainda têm equipes pequenas, com oito ou dez pessoas, mas os grandes jornais começaram com um quadro de 30 ou 40 profissionais e estão expandindo. O Chicago Tribune, por exemplo, tem 92 funcionários em sua redação online, contando jornalistas e programadores. O Dallas Morning News está contratando mais 30 por estes dias porque o Sidewalk, que pertence ao Bill Gates e faz concorrência aos sites dos jornais, está chegando à cidade.

359: Quais as mudanças fundamentais que devem existir no mercado jornalístico e de comunicação no sentido de apressar as mudanças?

Alves: A partir da consolidação deste novo meio de comunicação, que é a Internet, haverá mudanças na média em geral. Não é que vá haver de imediato o desaparecimento de nenhum outro meio de comunicação, mas uma adaptação. Vimos isso acontecer várias vezes neste século na medida em que apareciam novos meios.

359: Como as grandes empresas jornalísticas irão reagir, nos próximos anos às mudanças causadas pela Internet? E qual será o papel das mesmas no futuro?

Alves: Muita gente pensou que a Internet significaria o fim da grandes empresas de comunicação. Como é muito fácil publicar na Internet, haveria maior fragmentação, mais publicações, mais diversidade. Tudo isso é verdade, mas o que estamos vendo aqui nos Estados Unidos é que as grandes empresas estão tomando a dianteira na Internet, ganhando terreno para manter suas posições no mercado.

(Publicado originalmente na Edição 1, de 23 de março de 1998)

sobre o autor

Nestor Tipa Junior
Jornalista, fundador da 359 Online. Trabalhou nos principais veículos de comunicação do Rio Grande do Sul (Rádio Gaúcha, Rádio Guaíba, Zero Hora, Correio do Povo, Jornal do Comércio, Canal Rural e Rádio Rural). Especializado no agronegócio, conquistou 17 prêmios de jornalismo na carreira. Atualmente é fundador e sócio-diretor da AgroEffective Comunicação e Agronegócio, agência de comunicação que atende entidades e empresas do setor rural.

Deixe uma resposta