A culpa é dos plugins

 Por Andréia Odriozola

Quando trabalhava num portal de internet, meus colegas ficavam malucos com a minha habilidade de sempre apertar um botão antes de saber o que ele fazia – sem qualquer traço de remorso. Perdi a conta das mensagens de erro fatal que vi. “Déia, como tu achou esse bug?” Além de talento nato? Ora, esse também era o objetivo, testar tudo antes de publicar. Com o relançamento da 359 Online, não foi diferente. Numa única manhã, ao brincar de trocar o layout da home, consegui a façanha de derrubar o sistema três vezes. Bom, melhor antes que depois, certo? Sim, ainda que coitado do André Roca, nosso co-editor, já que ele manja como resolver pequenos detalhes insignificantes como esse. Já no domingo anterior à entrada no ar, digamos que a culpa pelo desastre foi dos plugins. Sabem esses penduricalhos que deixam um site bacanucho? Então, lá estava eu, instalando zilhões de funcionalidades, faceira com as descobertas, e pá! Tela branca e um recadinho tão incompreensível para mim quanto código binário. “Déééééé, socorro!” Numa tarde de Gre-Nal. Rá, rá, rá. Construir um site é exatamente isso: apertar um botão sem olhar, para que, lá na frente, o usuário tenha uma experiência legal sem tela azul ou um nada amigável “Ops!”.  

Tá, e como me envolvi nessa encrenca de republicar a 359? Eu era uma das que ficava incomodando para que isso fosse feito. Carinho, lembranças, um estalo repentino de que valia a pena o esforço. Seria bem mais fácil que naquela época, quando precisávamos editar código html para inserir um simples negrito, rezando para a internet discada não cair. Hoje, as diversas plataformas fazem o serviço sujo – olha que maravilha! E tem os plugins! Sorte a minha que os guris me deixam experimentar e riem. Acho que o Nestor Tipa Júnior (nosso eterno editor) nem faz ideia do quanto o site caiu nessa semana de preparativos, eu avisava o André de cantinho. Mandar mensagem no grupo de whats pela milésima vez não rola, vamos combinar que é chato ficar soltando esse tipo de inconveniência ao vento.

Por sinal, se o Fofão da Augusta foi o responsável por convencer o Nestor a embarcar nessa com a gente, posso dizer que ele foi o colega que me levou a gostar de trilhar caminhos desconhecidos. Lembro bem daquele dia em que ele me convidou a fazer parte da equipe. Era sábado de manhã e eu estava na mesa praguejando com umas imagens impressas para a cadeira de fotografia. Elas tinham ficado horríveis, e eu precisava escolher entre as menos ruins. Eu era nova naquela turma, na certa quem me viu de longe pensou que estava falando sozinha. Se bem que na Famecos isso é algo comum, o falar sozinho. Por isso, não fui eu que chamei a atenção, e sim as minhas fotos. Por serem terríveis? Não, por serem fotos.

De alguma forma inexplicável, Nestor não parecia concordar com o meu julgamento ultra-autocrítico, e ele percebeu o que, naquela hora, achei improvável: o quanto eu amava clicar. Foco, enquadramento, questões técnicas se aprendem; paixão simplesmente se tem. Era o que ele buscava. Era o que a 359 Online oferecia para mim: a oportunidade de inventar, fazer, desfazer, acertar, errar e buscar um diferencial, ao lado de um pessoal super entusiasmado e com brilho no olhar diante de todas as possibilidades de uma internet ainda inexplorada. Mais do que experiência, ganhei amigos. Juntos, compartilhamos histórias, sonhos e momentos inesquecíveis. Nos desafiamos, aprendemos a conciliar diferenças e a vibrar pelas conquistas de cada um. Criamos laços para a vida.  

Passados 20 anos, é esse mesmo espírito que nos faz relançar o site e, quem sabe, inspirar novas aventuras. Pode-se pensar em nostalgia, mas se trata de algo bem maior: o de querer ver essas histórias ganharem mais uma vez o mundo, e de podermos, do mesmo jeitinho que na faculdade, ser aprendizes. Sem medo dos botões. Em 23 de março, será o mais importante deles: o “publique-se”. 🙂

sobre o autor

Andreia Odriozola
Jornalista, tradutora, metida a fotógrafa e amante de tecnologia. Trabalhou no jornal O Sul, portal Terra e em agências de comunicação corporativa e assessoria de imprensa. Atualmente, desenvolve também projetos de conteúdo especial.

Deixe uma resposta