Mix Bazaar

 Por Leonardo Carvalho

Porto Alegre está cada vez mais buscando garantir um lugar no cenário da vanguarda artística e cultural. Exemplos claros e bem conhecidos do pessoal da Famecos: O Porto Alegre em Cena, as exposições de arte cada vez mais frequentes; a Bienal e o Mix Bazaar.

O Mix é a versão porto-alegrense dos mercados de variedades que surgiram na Europa acompanhando as raves e foram importados para o Brasil (em Sampa City tem o Mercado Mundo Mix), conquistando nos últimos meses uma infinidade de fãs incondicionais.

No Mix – que tem acontecido no Gasômetro desde suas duas últimas edições – rola, a exemplo dos outros mercados, brechós – com variedades de descontos em roupas e acessórios descolados, lojas de discos vendendo CD a preço de banana, muito techno e piercing no umbigo.

Faz parte da proposta do Mix fazer uma amostragem do teatro e dança que rola no portinho, em doses esparsas durante as tardes de sábado e domingo, culminando com a festa que rola no sábado à noite.

Na pior das hipóteses, uma oportunidade de ver que aquela roupa carcomida que era do seu avô, ou aquele paletó xadrez que era do seu pai ainda têm salvação nesse mundo pós-moderno.

(Publicado originalmente na Edição 1, de 23 de março de 1998)

Deixe uma resposta